Henriquecer7

O assunto bolha imobiliária já está em moda aqui no Brasil desde o inicio do boom, há uns 6 ou 7 anos. Quando a crise americana de 2008 estourou, muitos entenderam que o Brasil estava seguindo o mesmo rumo. Para surpresa de muitos, aquilo era só o começo.

De Setembro de 2008 a Setembro de 2010, os preços dos imóveis subiram aprox. 50% no Brasil segundo o FIPE/ZAP. Isso em média, porque muitos lugares apresentaram altas ainda maiores!

Em Setembro deste ano, Bob Shiller, prêmio Nobel e professor de Yale, um dos maiores especialistas do assunto no mundo, sugeriu que poderia haver uma Bolha Imobiliária no Rio e em São Paulo.

Há ou não há bolha no Brasil?

Particularmente acredito que não. Na minha opinião, os preços dos imóveis subiram de forma tão acentuada no período por fortes mudanças estruturais no país. Os juros caíram, o prazo de financiamento aumentou para até 35 anos, os bancos ampliaram a oferta de crédito imobiliário, a renda do brasileiro subiu e o desemprego caiu a níveis recordes. Tudo isso ajudou a pressionar a demanda por imóveis.

No Rio, a cidade onde os preços mais subiram, pode-se adicionar mais uma cesta de motivos: a pacificação dos morros, as inúmeras obras de infraestrutura como corredores Brt, metrô que enfim chega a Barra, abertura de novos túneis, novas vias, o Parque de Madureira, o Porto Maravilha etc… que tornaram o Rio o maior centro de obras de infraestrutura do mundo.

Como se não fosse suficiente, o Rio ainda se tornou a futura sede dos 2 maiores eventos esportivos do planeta. E lembre-se, com a descoberta do pré-sal em 2007, o Estado do Rio, como sede natural da exploração de petróleo no Brasil ganhou novos investimentos e um novo futuro.

Os preços subiram muito e continuam subindo, mas num ritmo bem menor. Para se ter uma ideia, de 2008 a 2009 os preços dos imóveis no Rio subiram em média 1,4% ao mês. De 2010 a 2011, no auge do boom, a média foi de 2,6%. Em 2012, a média caiu para 1,2% mesma média que permanece este ano (até Out/13). Mas dá sinais de que continua esfriando. Em Outubro a alta ficou em 0,9%, o 2º crescimento mais baixo desde ago/08. Perde apenas para o mês anterior, setembro, em que o crescimento foi de 0,8%. Altos ainda, mas nada comparado aos 3% ao mês que chegou a crescer entre 2010 e 2011.

A situação do Brasil mudou e é esperado que as altas continuem diminuindo. Muito dos benefícios já foram precificados ao longo dos anos. Outros, deixaram de existir. O otimismo de 2010 ficou para trás e a alta da SELIC de alguma forma deve ajudar a esfriar o mercado. As quedas sutis que já se observam em alguns bairros na Zona Sul do Rio devem ser mais recorrentes mas não acredito em estouro de bolha. Uma correção pontual em alguns lugares em que o preço subiu demais. E continuará crescendo em alguns outros lugares, mas movimentos mais leves.

Bom, no mais, só o futuro dirá.

Abraços!

Anúncios