henriquecer6

Apenas para relembrar, no artigo sobre Planejamento Financeiro para 2014 eu disse que separava o destino dos meus recursos financeiros entre gastos correntes e poupança. E a poupança por sua vez eu separava entre Provisões e Investimentos para Reserva de Segurança, Aposentadoria e Patrimônio.

Separar vai te ajudar a analisar melhor seu orçamento e distribuir melhor os recursos de acordo com o objetivo em que você pretende atingir. Por isso, é difícil dizer que um determinado tipo de produto é bom ou ruim. Tudo depende de qual o seu objetivo. Ações podem ser o pior investimento para o curto prazo mas isso não significa que não cumpra seu papel em algum lugar na sua poupança.

Abaixo, relacionei alguns produtos que, segundo minha visão, se encaixam melhor em cada um dos objetivos de poupança.

Provisões

Para que serve: para atender gastos não mensais de curto prazo.

Exemplos de uso: IPVA, Seguro e revisão do carro, IPTU e manutenção da casa, viagens de férias, comprar roupas e aparelhos eletrônicos, presentes para datas especiais etc.

Como o produto financeiro deve ser: é primordial que tenha liquidez alta já que será usado no curto prazo. É importante também que seja seguro e pouco volátil pois não faz sentido não poder pagar o IPVA do carro porque a bolsa foi mal.

Produtos que mais se encaixam: CDB com liquidez diária do seu banco e Caderneta de Poupança.

Comentários: Minha preferência é pelo CDB com liquidez diária do seu próprio banco. Apesar de não render muito, é prático. Acho melhor que a poupança porque rende juros diários.

Reserva de Segurança (Investimento)

Para que serve: é como um colchão de segurança para eventuais períodos de turbulência financeira.

Exemplos de uso: Em caso de demissão, perda de renda ou um inquilino que não pague aluguel para quem vive disso etc.

Como o produto financeiro deve ser: Diferente das Provisões em que o uso é mais recorrente, a reserva de segurança é um dinheiro que você quer disponível (com liquidez) mas que não espera usar tão cedo (na verdade o melhor é não precisar usar nunca rs).

Produtos que mais se encaixam: Caderneta de Poupança, LFT e  CDB com liquidez diária de um banco menor.

Comentários: Minha preferência é por uma composição entre os 3. Os CDBs de bancos menores costumam oferecer taxas bem mais atrativas do que os de bancos grandes. Isso os tornam bastante atraentes já que o uso da reserva não é recorrente como o da provisão. A LFT tende a apresentar performance muito boa e com baixo risco para investimentos com prazo superior a dois anos (por conta da tabela regressiva do IR) mas a liquidez é semanal e não imediata como a da Poupança e do CDB – por isso não recomendo alocar tudo apenas nela.

Aposentadoria (Investimento)

Para que serve: como complementação à aposentadoria tradicional do INSS quando você se aposentar.

Exemplos de uso: Aposentadoria.

Como o produto financeiro deve ser: A liquidez neste caso, já não é mais tão necessária como nos 2 objetivos acima e a volatilidade também pode ser maior. Esses dois efeitos favorecem uma rentabilidade maior. No entanto, o risco de crédito tem que ser baixo – há de ser um investimento seguro para o longo prazo.

Produtos que mais se encaixam: NTN-B, NTN-B (Principal), VGBL e PGBL.

Comentários: As NTN-Bs, que rendem inflação mais juros reais, são excelentes oportunidades para um cenário de juros mais baixos no futuro mais distante. Os vencimentos são longos (até 2050) e seguros (o devedor é o Tesouro Nacional). A previdência privada também pode ser interessante, mas cuidado porque muitos ainda cobram taxa de carregamento e taxa de administração alta.

Patrimônio (Investimento)

Para que serve: elevar seu padrão de vida no futuro.

Exemplos de uso: Se aposentar precocemente e viver de renda, complementar a sua renda com juros e dividendos etc.

Como o produto financeiro deve ser: uma composição que inclua mais risco, respeitando o seu perfil de investidor. Especialmente os mais jovens, devem aproveitar o longo prazo que tem pela frente para arriscar mais. Também podem ser compostos com renda fixa de pouca liquidez e risco maior.

Produtos que mais se encaixam: os que apresentarem melhor relação risco-retorno. Podem ser ações, fundos imobiliários, imóveis, LCIs, Títulos pré-fixados, fundos de investimento diversos, fundos cambiais etc.

Comentários: Convenhamos, com o dinheiro das suas férias e as despesas da casa e do carro garantidas, com uma reserva de segurança, aposentadoria encaminhada… você pode admitir risco ao seu portfólio, né? E arrisco dizer, que você provavelmente, vai gostar!

Sei que é chato repetir toda hora, mas tenho que lembrar que estou apenas expondo minha visões e que de maneira alguma isso representa uma recomendação.

A todos, um grande abraçoooo e excelentes investimentos em 2014!!

Anúncios