1

Enfim…

Depois de meses à espera de alguma coisa concreta por parte do Governo, enfim a PEC 241 se torna a notícia econômica do ano. É um passo gigante em direção à responsabilidade fiscal. Pode ser só um ponto fora da curva… ou pode ser o começo de uma grande história!

Sobre a PEC, eu deixo aqui o link para o excelente discurso do Senador Cristovam Buarque, o maior defensor da Educação no Congresso nacional. Ele é bem didático e é um excelente resumo econômico: https://www.youtube.com/watch?v=9VV3ilrK1IE

 

Por que a queda no preço da gasolina deve impulsionar o preço dos imóveis?

As reduções de 3,2% no valor da gasolina e de 2,7% no do diesel deverão ter um efeito dominó e refletirão em alguma escala em toda a economia. O combustível é um produto chave para a inflação já que é o componente comum em todos os deslocamento de produtos e serviços no país.

A queda em seu preço deve acelerar a estabilização de uma taxa de inflação já declinante, abrindo espaço para um ciclo de redução nas taxas de juros – o que já começou a acontecer com a queda de 0,25 p.p. na Selic este mês.

Com isto, o crédito se expande e fica mais barato financiar produtos de alto valor como carros e imóveis. Com o aumento na procura por imóveis seus preços tendem a aumentar. Nada além da lei da oferta e da demanda.

 

Olha a bolhaaaa!

Quando isto começar a acontecer, alguns dirão que é a formação de uma bolha, preparem-se! Pois para quem não entende muito bem o mercado, quando preços de imóveis sobem é bolha, quando caem é estouro de bolha…

 

Um mundo que dá voltas

Um amigo corretor de imóveis carioca me disse que o mercado, por sinal, já dá sinais de melhora. Olha como as coisas são… antes, as previsões dos especialistas em geral – meu amigo incluso – era de um apocalipse imobiliário no Rio pós olimpíadas.

 

Enquanto isso, lá na terra da rainha…

a situação é outra. A perda de mercado e a restrição no acesso a bens e serviços europeus ainda são apostas prováveis embora não esteja 100% claro o que ocorrerá com o Reino Unido após a saída da UE. Mas uma coisa é clara, com a desvalorização recente da Libra, o Reino sofrerá com um forte aumento da inflação seja porque estará mais caro importar, seja porque seus produtos internos ficarão mais cobiçados pelos mercados externos.

 

Bolsa londrina nas alturas

O FTSE, principal índice da bolsa de Londres, bateu recorde de alta enquanto a libra despencava. Efeito de balanceamento entre mercados, mas, principalmente uma antecipação deste efeito inflacionário previsto para o futuro (a bolsa se antecipa, precificando previsões futuras). Ações são uma boa maneira de proteção contra inflação… imóveis são outra.

 

Exportações inglesas

É verdade que, em algum grau, a libra mais fraca pode incentivar a indústria exportadora inglesa. Mas em que medida este efeito será compensado pela limitação de acesso ao mercado europeu e pela cobrança de impostos de importação? Na minha opinião, ficou ruim para o RU.

 

Casa de ferreiro, espeto de pau

A Alemanha é o país desenvolvido do momento. Inspiração para todos, o país cresce, tem emprego, tem uma situação social-fiscal equilibrada… até seus títulos públicos tem rendimentos negativos como um reconhecimento de sua segurança.

Pois bem, é lá mesmo que o Deutsche Bank, um dos maiores bancos do mundo, enfrenta uma grave crise de confiança. Uma multa bilionária está sendo cobrada ao banco por ser um dos grandes responsáveis pela crise em 2008. O valor de suas ações já caiu a mais da metade do valor do início do ano… É bom lembrar que os bancos oferecem risco sistêmico, ou seja, a quebra de um grande banco pode afetar toda a economia global.

A todos, um grande abraço!

mail-box-3

Anúncios