ETF

Conheça o ETF: a melhor estratégia para investidores pessoas físicas


 

Depois de aprender o que é necessário fazer para investir em ações, como a bolsa funciona e como proceder com as corretoras de valores, o próximo passo é decidir o que comprar.

Esta é a pergunta mais difícil de responder. Se a resposta fosse fácil e direta – ou se bastasse fazer uma faculdade de economia ou finanças para conhecer a resposta – bastaria fazer um destes cursos para se tornar automaticamente milionário. Não é o caso. Não existe uma resposta simples e objetiva. Ninguém sabe ao certo o que irá subir e cair. O mercado consegue prever cenários mas não o futuro. 

Se ninguém consegue adivinhar o futuro, então o que fazer?


O melhor é criar uma estratégia de investimento alinhada ao seu perfil de risco e sua vida. Esta estratégia pode ser mais simples ou mais elaborada dependendo do seu tempo disponível, sua experiência no mercado e sua vontade de se desenvolver como investidor de ações. 

Estratégias de investimento


Como sempre, para avaliar qualquer coisa que fazemos é bom ou ruim é preciso um planejamento e um parâmetro. Ao investir não é diferente. É preciso estabelecer um objetivo. Este objetivo é que vai lhe mostrar se seu investimento foi bom ou não.

Normalmente ao investir em ações, estabelece-se um benchmark, ou seja, um parâmetro que lhe permite avaliar seu investimento. No Brasil, o benchmark mais popular é o índice Ibovespa.  

A partir de então, existem 2 grandes estratégias de investimento: a gestão ativa e a gestão passiva. 

Estratégia ativa é aquela em que o investidor busca superar o benchmark. Ou seja, seria como buscar obter resultados sempre superiores ao Ibovespa no Brasil por exemplo.

Já a estratégia passiva busca igualar ao máximo os resultados do mercado como um todo, representado aí pelo benchmark (que é uma aproximação). No Brasil, uma gestão passiva procuraria obter resultados próximos ao Ibovespa  (existem outros índices mas o Ibovespa é o índice de referência do mercado nacional). 

Vantagens da estratégia passiva


Ora, a pergunta óbvia é por que se contentar em igualar seus resultados ao mercado ao invés de buscar superá-los?

  1. Em primeiro lugar, é preciso de dizer que é perfeitamente possível bater o mercado em 2 ou 3 anos consecutivos mas é praticamente impossível bate-lo de forma contínua num prazo mais longo. São raríssimos investidores profissionais que conseguem este feito e estes são considerados mitos do mercado financeiro. É importante saber que o mercado é a soma das ações de todos os agentes que trabalham nele. Grosso modo, metade dos resultados são acima e metade abaixo dos resultados do mercado. O Benchmark ao simbolizar o mercado como um todo, é uma espécie de média de todas as decisões dos analistas do mercado.
  2. Em segundo lugar, a estratégia ativa de tentar superar o mercado além de mais arriscada é geralmente também mais custosa com maior frequência de troca de ativos com a variação de cenários no dia a dia.

Para o pequeno investidor e sobretudo aos iniciantes, a estratégia passiva é a mais recomendada. Ela é mais fácil e segura.

Decidi pela estratégia passiva, o que devo fazer?


Primeiro, estabelecer um índice como benchmark – digamos que seja o Ibovespa. O próximo passo seria comprar exatamente todas as ações que o Ibovespa possui e na mesma proporção que o Ibovespa. Mas como são muitas ações, para o pequeno investidor isto seria quase impossível. A solução então é investir em todas elas através de um fundo passivo de ações.

O que é um ETF?


É a solução para seus problemas. ETF significa Exchange Traded Funds, são fundos negociados na bolsa de valores. Ou seja, são cotas de fundos que você pode comprar e vender através de sua corretora de valores exatamente como o faria com ações na bolsa.

A diferença é que ao comprar um ETF, você não está comprando uma única ação mais todo um índice a qual ele se refere, o que te possibilita diversificar seu investimento por menor que o montante investido possa ser.

A vantagem de investir num ETF em relação a um fundo tradicional é que além de um investimento mínimo mais baixo, as taxas de administração são infinitamente menores: uma vantagem para investidores que desejam manter o investimento no longo prazo.  

Vale lembrar que os dividendos pagos pelas empresas são reinvestidos no próprio fundo, um efeito composto para o longo prazo.

Quais são os ETFs negociados na Bovespa?


 

  • BOVA11

Nome oficial: iShares Ibovespa Fundo de Índice

Gestor: Blackrock 

Taxa de administração: 0,54% a.a.

Benchmark: Índice Ibovespa

Sobre o Benchmark

O Ibovespa ou apenas IBOV, é o índice de ações mais conhecido e com maior liquidez do Brasil.  Ele contém as ações de maior negociabilidade e representatividade do mercado de ações brasileiro. As ações contidas no IBOV são responsáveis por mais de 80% do total negociado na Bovespa. 

 

  • PIBB11

Nome oficial: It Now PIBB IBrX-50 Fundo de Índice

Gestor: Itaú

Taxa de administração: 0,059% a.a.

Benchmark: IBrX-50

Sobre o Benchmark

O IBrX 50 representa as cotações dos 50 ativos de maior liquidez do mercado de ações brasileiro. Muitas destas ações que fazem parte da carteira do IBrX-50 também estão presentes no Ibovespa já que em ambos os casos são as ações mais representativas do mercado brasileiro. A maior diferença é que enquanto não existe um número exato de ações que compõe o Ibovespa (são todas as ações que representam ~80% da liquidez do mercado), no IBrX-50 há sempre 50 ações.

 

  • BRAX11

Nome oficial: iShares IBrX – Índice Brasil (IBrX-100) Fundo de Índice

Gestor: Blackrock

Taxa de administração: 0,20% a.a.

Benchmark: IBrX-100

Sobre o Benchmark

O IBrX-100 representa as cotações dos 100 ativos de maior liquidez do mercado de ações brasileiro. É como o IBrX-50, apenas o número de ações é o dobro: são as 100 ações mais negociadas na bolsa.  

  • SMAL11

Nome oficial: iShares BM&FBOVESPA Small Cap Fundo de Índice

Gestor: Blackrock

Taxa de administração: 0,69% a.a.

Benchmark: Índice Small Cap

Sobre o Benchmark

O SMLL é o índice composto pelas empresas de menor capitalização da bolsa mas com uma boa liquidez mínima.

Existem outros ETFs mas estes são os principais.

Qual o melhor ETF no Brasil?


Sem titubear, o meu ETF de ações preferido é o PIBB11 e a justificativa é simples: é o que possui a menor taxa de administração. Esta característica o torna mais atrativo para os investimentos de longo prazo.

Mas não tem muito como errar com ETFs. Qualquer um destes listados acima possuem grandes vantagens e podem compor a carteira de qualquer investidor.

O BOVA11 é o que tem a maior liquidez e é mais indicado para investimentos de prazo menor. O BRAX11 é o que possui o maior número de ações em sua carteira apresentando a maior diversificação, e, portanto, o menor risco. O SMAL11, ao possuir ações chamadas de small caps, empresas menores, apresenta o maior potencial de retorno quando o mercado sobe mas também o maior risco especialmente quando o mercado apresenta tendência de queda.

Comece já


Agora que você já leu

e portanto já sabe o básico de como funciona o mercado, o que você precisa fazer para negociar ações e já sabe o que comprar… o que você está esperando para começar a incluir ações na sua carteira de investimentos?

A todos, um grande abraço e até a próxima!

mail-box-3

Anúncios