19062018

A ignorância financeira no Brasil, reina.

Até aí nenhuma surpresa.. acontece que agora esta ignorância ameaça invadir as 4 linhas.

Quando o assunto é economia, uma boa parte das pessoas no país ainda acredita que a riqueza é criada pelo Governo, e que seus recursos são infinitos.

Para muitos outros, a riqueza no mundo é estática e finita. Assim, juram, quanto mais rico for um grupo, menos sobrará de riqueza para os demais.

Ambos pensamentos são frutos do baixo grau de educação econômica e financeira da população.

O problema é que a incompreensão do mundo a sua volta te leva a identificar péssimas soluções para falsos problemas…

… o que acaba por criar cada vez mais problemas. 

Ora, se você acredita que a culpa do pobre ser pobre é do rico ter dinheiro, a solução será retirar dele seu estímulo a gerar riqueza.

O resultado não pode ser outro senão a multiplicação da pobreza, certo?

Pois no Brasil a percepção do efeito causa-consequência nem sempre respeita a lógica.

Aliás, raramente o faz.

Hoje, em meio a Copa do Mundo, um grupo acredita piamente estar torcendo pelo Brasil ao virar as costas para a seleção de futebol.

Como se a paixão do brasileiro pelo futebol fosse culpada pela falta de educação de qualidade, pela insegurança e todos os demais males sociais que o país passa.

Quer dizer que se perdermos o gosto pelo futebol nos tornaremos um país desenvolvido?

Como? Por que?

Se a paixão por esporte levasse ao subdesenvolvimento, como seriam os EUA ao mesmo tempo a maior potência econômica e esportiva do planeta?

O que explicaria a Europa desenvolvida e apaixonada pelo mesmo futebol que nós? E também pelo Rugby… e pelo atletismo, ciclismo, automobilismo, e tudo o mais?

Amigos, se fracasso no futebol fosse sinônimo de sucesso social e econômico, os países africanos e asiáticos que nunca ganharam nenhuma Copa seriam as suíças tropicais!

Mas no país que acha que para combater a desigualdade racial bastam cotas em universidades… para reduzir a desigualdade social bastam bolsas assistencialistas… solução boa é solução rápida e fácil.

Não precisa ser real.

Então, para alguns, para se tornar uma nação desenvolvida basta parar de gostar de futebol e voltar a atenção para temas sociais como se as 2 coisas não pudessem coexistir.

Investir em educação? “Leva muito tempo até colher os frutos… o necessário é agora!” já diziam há 50 anos…

Ah, se tivéssemos pensado diferente!

Acredito que muita dessa confusão tenha sido gerada com a Copa passada que foi no Brasil. Lá, como houve dinheiro público envolvido de alguma forma na organização da Copa, criou-se uma dicotomia investir em Copa do Mundo x investir em hospitais.

4 anos depois e as pessoas seguem repetindo os mesmo argumentos. Só que totalmente fora de contexto.

Futebol é o ópio do povo porque é diversão? Música, teatro, cinema, livros, restaurantes, parques também são.

Ou querem que abandonemos toda nossa vida para viver estritamente a pensar em política?

Seleçao Alema

Outro dia circulou pelas redes sociais, a notícia – falsa como sempre – de que a seleção alemã teria ido à Russia de voo comercial e em classe econômica.

« Deveríamos aprender » dizia a legenda.

A maior parte da população ainda confunde a CBF com o Governo Federal… acha que as despesas com a seleção brasileira disputam verbas públicas com a saúde e a educação.

Ignorância pura.

A CBF é uma associação privada que vive de verbas de royalties e patrocínios e não tem absolutamente nada a ver com os impostos que você paga.

A CBF vive do futebol. Receitas e despesas do futebol.

E como lembrou bem no Facebook outro dia o camarada Renato Pinto:

“temos um time consistente que tomou CINCO gols em quase dois anos, um time que se apoia, sem conflitos internos, temos o melhor lateral esquerdo do mundo disparado, dois meias infernais, dois volantes que sabem jogar, um dos cinco melhores jogadores do mundo que brinca de fazer golaços e já marcou pênalti derradeiro no ângulo numa final de Olimpíadas contra a Alemanha, trazendo nossa única medalha de ouro olímpico no futebol na história (ou já se esqueceram?). E ainda temos dois camisas 9 de alto nível, Jesus e Firmino.

É importante lembrar que estamos na Copa porque o Tite e seus (muito bem) escolhidos jogadores fizeram uma campanha brilhante nas eliminatórias e passaram por cima da maioria dos melhores times do mundo nos últimos 2 anos.

A lamentável situação política, econômica e social do país não tem NADA a ver com a classificação da seleção pra Copa.

Nenhum país torce contra sua seleção numa Copa por algum motivo que não seja relacionado ao próprio time!

No futebol, tudo pode acontecer, mas dessa vez somos BEM merecedores! Na outra Copa o time embalou (nem tanto) só quando faltava um ano pra competição…a história é completamente diferente dessa vez.

E afinal, o Brasil pode até não vencer esta Copa…

Vale lembrar que isso acontecerá com 31 das 32 seleções classificadas entre as mais de 200 que queriam uma vaguinha na maior competição esportiva do planeta. 

Mas no país que, há menos de 2 anos, assustou o mundo com suas vaias a atletas olímpicos de diversos países, isso não parece ser nada demais.

Afinal… gostamos de vaiar.

De torcer contra nossos ídolos. De inferiorizá-los. De desmerecer suas conquistas.

No Brasil, o sucesso incomoda profundamente.

E se perdermos esta Copa, não faltarão dedos para apontar as origens do fracasso.

Mas isso não irá mudar o que somos.

Realmente, espero.

Porque se tem uma coisa, no meio de tanta tristeza e sofrimento, que o mundo inteiro nos reconhece como bons é no futebol. Vencendo ou não.

Apesar de vocês e de tudo o que tem feito para arruinar também isso…

A todos, um grande abraço!

Leia também: Isto nunca daria certo no Brasil

Clique aqui e cadastre-se para receber os e-mails do Henriquecer.com. Te enviarei apenas um e-mail por semana para te manter atualizado sobre os temas Economia e Finanças Pessoais.

Banner Livro

Versão impressa: https://clubedeautores.com.br/book/254521–E_se_voce_nao_morrer_amanha
Kindle Brasil: https://amzn.to/2LvVq9L
Disponível nas lojas Amazon em seu país.
Anúncios