A melhor política social é o emprego 

Dois Brasis

Um brasileiro pode viver num Brasil com taxa de desemprego de 20,6% ou de apenas 1,9%. A primeira é a taxa de desemprego dos 10% mais pobres; a segunda é dos 10% mais ricos.

 

Que crise?

De um bistrô do Leblon as vezes fica difícil entender a perversidade de uma crise econômica causada pela displicência no uso dos recursos públicos.

 

O peixe ou ensinar a pescar?

É melhor receber salário ou bolsa família? Depende. Para as famílias, o salário é melhor, claro. Além de mais alto, eleva sua autoestima… e ainda gera riquezas para a sociedade. Para o político, no entanto, o assistencialismo é mais frutífero. Isto porque quando você recebe seu salário sabe que é uma recompensa pelo seu próprio esforço mas quando recebe uma assistência social, a gratidão é com o político.

Faz sentido acabar com empregos com a justificativa de aumentar o assistencialismo? Para o político que quer ser amado e se perpetuar no poder, sim. Para o que procura construir um país melhor, definitivamente não.

Apenas lembrando que não sou contra o bolsa família. É apenas uma nota para reflexão.

 

Darwinismo laboral

A diferença na taxa de desemprego  entre os mais ricos e os mais pobres reflete a maior produtividade do primeiro grupo. A crise gera um Darwinismo no mercado de trabalho onde apenas os mais produtivos se mantém. Por isto é essencial investir em educação. Além disso, é preciso mudar nossa cultura, é preciso valorizar o trabalho. Não acho que seja mágica mas há muito que pode ser feito que não necessariamente depende apenas de dinheiro. Um bom começo seria acabar de vez com esta dicotomia arcaica que sobrevive no Brasil de empregado x empregador.

 

Desigualdade no Brasil

A melhor maneira de reduzir a desigualdade de renda é reduzir a desigualdade de produtividade. Todos ganhamos e devemos ganhar proporcional ao que produzimos. Os mais ricos não necessariamente devem bancar os mais pobres. O que precisamos combater no Brasil – digo sempre isto – é a desigualdade de oportunidades para que mais gente “aprenda a pescar” e possa contribuir para a sociedade. Hoje as oportunidades são ainda muito diferentes.

 

Crise sem precedentes 

Nos últimos 3 anos, com a crise causada pelo descontrole fiscal, o nosso PIB per capita caiu 16%. O PIB é a quantidade de riqueza que um país produz. Como já disse por aqui antes, riqueza não é papel-moeda, é produção, vem do trabalho, do investimento. Se não houver riqueza gerada não há o que ser compartilhado. Simplesmente isso. De novo, para um comediante sentado num bistrô lá no… pouco muda. E notem, não estou falando em corrupção, ok?

 

Cenário de julho em agosto

A sensação de que as coisas estão melhorando e que em breve podemos ter um futuro melhor que o presente persiste. Vale lembrar que estas são profecias autorrealizáveis, ou seja, as coisas acabam melhorando apenas porque todo mundo acha que vai melhorar. Aí, consome-se mais, investe-se mais… e está criado um ciclo virtuoso. Mas… assim como escrevi em julho, não há absolutamente nada a comemorar, a situação do país continua, de forma prática, da mesma forma… ou até pior pq o tempo está passando e nada foi feito.

 

Cenário de julho em agosto (2)

O dólar, ao meu ver, continua abaixo do seu “valor justo”. Tem quem fale agora em R$2,85. Mas quando estava a R$4, havia quem falasse que ia a R$5. Tudo é possível já que o mercado é livre e o câmbio flutuante. Mas o valor justo me parece ser mais próximo a R$3,50 do que a R$3.

 

Cenário de julho em agosto (3)

NTN-B ou Tesouro IPCA+ continua sendo o melhor investimento para o longo prazo. No curto prazo gosto da LFT, de CDBs de bancos menores e Fundos DIs. No médio prazo, LCIs e LCAs. Apenas mais do mesmo.

 

Ajuste na Reserva de Segurança 

Prego sempre aqui a importância de manter uma Reserva de Segurança que lhe garanta manter seus gastos médios mensais por entre 3 e 6 meses caso perca sua fonte de renda. 6 meses é o prazo médio que se leva geralmente para se recolocar no mercado de trabalho. Isso nas CNTP. Com o alto desemprego e baixa atividade econômica, o Dieese divulgou recentemente que o tempo médio passou para 9 meses. Logo, este é um bom parâmetro para reajustar seu saldo de Reserva de Segurança. Vai ajustando aos pouquinhos, mas vai. Não é o melhor momento para extravagâncias…

 

Por eleições mais maduras

É natural que quando mais jovem, adolescentes em geral estejam mais preocupados com questões “sociais” do que econômicas. Eu fui assim e talvez o leitor tb tenha sido. Existem assuntos que precisam ser debatidos de forma séria! É provável, por exemplo, que a legalização das drogas leves ajudasse à segurança e à economia, com menos gastos e mais arrecadação. A legalização do aborto é uma questão de saúde pública. O respeito ao homossexualismo é uma questão de respeito às diferenças e ao individualismo, assim como o é ao negro e ao índio. Mulheres são produtivas e devem ser reconhecidas de acordo. O indivíduo que passa fome hoje não pode esperar 15 anos para conseguir comer… até lá ele já morreu…. A natureza deve ser preservada.. Enfim, são muitas questões importantes.

Mas quando da fase adulta, quando vc tem que pagar suas próprias contas, impostos inclusive, entende-se melhor a importância da discussão econômica. Não é conto de fadas. Economia é sobrevivência. Sem emprego, sem produção, sem confiança… não há riqueza a ser repartida. Não existe o tal “dinheiro do Governo”. Existe o dinheiro nosso que pagamos via imposto. Daí, fica mais fácil de entender que o interesse dos empresários é tbm o interesse de todos nós. E com isso, espero que tenhamos mais maturidade para votar naquele que reconhecemos algum sinal de confiança. Não podemos continuar votando em fulano só para provocar o coleguinha semi-fascista ou semi-comunista do facebook. Voto de pirraça, não mais!

 

Conseguimos!

Os Jogos Olímpicos do Rio foram um sucesso incontestável! Um tapa na cara dos pessimistas, claro… mas… sem ufanismo. Houve erros? Sim, claro. Filas longas (não tô nem aí que tem fila na Disney), inclusive para pegar o BrT (eu mesmo passei perrengue em Deodoro) e no jogo de futebol feminino do Brasil no Maracanã. Algumas obras não ficaram prontas a tempo etc… enfim. Nada fora do normal, afinal não somos nenhuma Londres ou Tóquio – mas, apesar disso, provamos ser muito melhores do que nós mesmos imaginávamos. O legado fica e a gringalhada certamente vai levar experiências excelentes. A cidade está ainda mais maravilhosa!

HC1.1

 

A todos um abraço!

Mail Box 3

Anúncios