Planejamento Financeiro 2018

Baixe aqui sua planilha de Controle Financeiro e Planejamento Financeiro para 2018 clicando aqui (para baixar a planilha clique na setinha no canto superior direito)  

Dicas:

1) Faça sempre um Orçamento prevendo seus gastos para o ano. Um planilha sem orçamento é um barco a deriva. Você controla o realizado, mas não há nada planejado. Decida onde você quer chegar e planeje, ou seja, orce!

2) Separe na planilha o destino da sua renda entre gastos e poupança. Gastos Correntes são todas as despesas que ocorrem todos os meses. O restante poupe.

3) Separe sua poupança segundo os motivos que te levam a poupar. Os mais comuns são a) para encarar despesas num futuro próximo (Provisões para o Curto Prazo), b) criar uma reserva de segurança para emergências, c) contribuir para sua própria aposentadoria e d) Gerar um patrimônio que lhe permita aumentar o seu patamar de vida.

4) Atualize seu orçamento trimestralmente. Por isso as planilhas são dividas em estações do ano. 

5) Já as receitas e despesas reais devem ser atualizadas pelo menos 1 vez por mês.

6) Nas planilhas de controle do gastos mensais (com nome das estações do ano) você deve completar com sua receita, seus gastos (em gastos correntes) e o que irá poupar para o curto prazo e investir para o longo prazo. Em Provisões não coloque o seu gasto com aquele motivo e sim sua poupança.

7) Quando houver um gasto “não-recorrente” de algo que já havia sido guardado (provisionado) como o pagamento do seguro do carro, por exemplo, este gasto será preenchido na planilha “Fluxo de Provisões” / na tabela “Despesas Provisionadas”. Lembrando, na planilha das estações as linhas de provisão servem para você preencher o quanto vocês está guardando no mês ali. 

8) O mesmo para os investimentos. Na planilha das estações, coloque o quanto você está juntando do seu salário por exemplo para investir. Toda atualização de juros, valor de mercado e mudanças na carteira devem ser feitas em separado na planilha “Investimentos”.

9) Um bom Controle Financeiro é aquele em que há um equilíbrio entre o “agora”, o futuro próximo e o longo prazo. Por isto a importância em gerir separadamente cada um entre os “Gastos Correntes”, as “Provisões para o Curto Prazo” e os “Investimentos”, que são para o longo prazo.

10) Lembrando: Os gastos no cartão de crédito não devem ser classificados numa conta chamada “Cartão de Crédito”. O cartão é um meio de pagamento, não uma despesa. Se quiser criar uma conta assim, coloque apenas o valor da anuidade do cartão e nada mais. De resto, não faz a menor diferença se você comprou um laptop no cartão ou em cash. O gasto é com o laptop e não com o cartão!!! Isso é algo que incrivelmente, muita gente erra! 

11) Por falar em cash, saque toda semana um valor para deixar na sua carteira e consumir com lazer e pequenos gastos do dia. Estabeleça um montante fixo, como se fosse uma mesada. Quando acabar a sua mesada naquela semana, acabou. Assim você irá transformar em despesa fixa e previsível aquilo que muita gente insiste em tratar como variável. Bem, é variável só para os descontrolados, não pra você!

12) O Índice de Cobertura Corrente irá lhe mostrar quanto o montante investido naquele mês corresponderia em dias de Gastos Correntes. Ora, se você tem gastos correntes de R$ 3 mil e investe R$ 3 mil, seu índice de Cobertura Corrente será de 30 dias, ou seja, você investe o equivalente a gastos correntes de 1 mês.

2018 será ainda melhor!!

Link completo para o arquivo: 

https://drive.google.com/file/d/1RZ_114dkYxc5AuCdWUmUjOLQdw32ZW4M/view?usp=sharing

Abraços!

Publicidade 2a edição

 

Anúncios